As bolhas da Maternidade

Será que estou criando meus filhos em bolhas?

Vira e mexe me pergunto se estou criando meus filhos dentro de uma bolha… se estou limitando a visão deles de mundo pela minha visão.

Acho que é normal termos direcionamentos na educação, valores que transmitimos aos filhos, formas de viver em família ou de relacionar-se com as demais pessoas. Mas não podemos limitá-los a nossa experiência.

bolhas-da-maternidade

As bolhas da maternidade

Por muito tempo eu fui a mãe radical e vou dizer: é bem mais fácil quando eles são pequenos e você decide tudo (sozinha ou com seu marido/companheiro/pai dos seus filhos) sem que as crianças argumentem.

Não estou dizendo que eles me dobram ou que eu faço o jogo “maria vai com as outras” porque afinal eu tenho bem claro (até a página 2 pelo menos heheh), o que quero ou não para eles.

Será inútil o papo de “o fulaninho fez”, “a fulaninha vai” e assim por diante. As decisões aqui em casa são tomadas a partir de atitudes cotidianas e no que acreditamos.

Mas eu dei espaço para a mãe chata abrir o olhar, experimentar outras formas de maternar com meus filhos. Não existe por aqui o “não e ponto”, nem o “porque eu estou mandando”. Essa geração não aceita mais isso (UFA!) e a gente precisa aprender a conviver com os questionamentos.

Dá para educar, colocar limites e ser mãezona, sem ser mãe chata full time. A mãe chata foi substituída por um robô bem legal!

As bolhas da maternidade estão por aí, seja na alimentação, na educação formal, na rotina diária, nos limites no tablet/video game e afins. Até no quanto você deixa seu filho livre para explorar suas descobertas!

Deixar os filhos conhecerem outras realidades (sociais, financeiras, emocionais) faz parte do crescimento deles. Faz parte do aprendizado e da construção dos backgrounds. É importante que eles entendam a diversidade do mundo para que se enriqueçam e percebam que tem vida diferente e rica para além da asa da mãe.

Post publicado primeiro em STORIA

7 comentários em "As bolhas da Maternidade"

  1. Tudo fica mais fácil quando eles são pequenos mas conforme passa o tempo até nas coisas pequenas que antes eram fáceis se tornam um desafio! Meus pais sempre me deram espaço pra argumentar e conversar sobre as decisões deles, sei que hoje isso é mais complicado por essa geração ser mais “antenada”, mas com diálogo paciência e muito amor tudo se resolve!

  2. Confesso que construí algumas bolhas para a Melissa, ainda cometo alguns erros arcaicos de querer impor a minha verdade e quando sou confrontada por ela, questionada, o calo aperta e vejo que é hora de rever os meus conceitos. Estou estourando a bolhinhas, mas ainda faltam algumas

  3. Mary Alves disse:

    Amei o texto, temos que tirar eles de baixo das nossas
    asas um pouco, dar espaço como você disse, não sermos
    muito severas , e nem nos cobrar tanto!
    A maternidade não é fácil, mas com amor e com muito
    diálogo tudo se resolve.

  4. Ana Claudia disse:

    Realmente quando eles são pequenos é mais fácil rsrsrsr Agora, por aqui, eu deixo sim ele participar de algumas decisões. Afinal, isso vai facilitar que ele saiba que cada escolha envolve uma perda e fica consiciente do que ele acha melhor. Claro que tudo tem seu tempo e limite.

  5. Tatiana disse:

    Ser mãe é um eterno aprendizado. Óbvio que eu gostaria que ele seguisse alguns passos, e aquilo que eu acredito, mas não posso reprimi-lo e poda-lo de viver outras experiencias diferentes das minhas.

  6. Roberta disse:

    Muitas vezes protegemos muito e acabamos prejudicando, com o meu segundo foi mais fácil, adorei o texto! Bjus

  7. Aquele dilema de sempre: educar mostrando o que é certo e errado ou deixar que o filho tenha senso crítico e opinião diferente da nossa. Boa reflexão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2008-2017 © Eu, ele e as crianças | Criação: Helena Sordili | Desenvolvimento: Carranca Design Carranca Design por Felipe Viana