Nasce uma mãe, nasce uma blogueira

Essa frase está até ultrapassada, porque hoje em dia nasce uma mãe e nasce uma instagrete ou uma youtuber! Mas, já parou para pensar, por que a maternidade desperta essa exposição através perfis nas redes sociais?

nasce uma mae

*APENAS PARA CONTEXTUALIZAR* Eu participei de um hangout em 2013 com esse tema e, de lá para cá fiz algumas palestras dissertando sobre esse assunto também. Em 2016 lancei um curso e vários conteúdos específicos para quem quer ser creator no segmento materno-infantil-lifestyle. *

Eu brinco – falando algo que acredito mesmo – que toda mãe é contadora de histórias. A gente começa contando como conheceu o marido, conta sobre os planos para engravidar, fala sobre o positivo, a gestação, as dores e as delícias de ser mãe e sobre o crescimento dos filhos. E por aí vai.

E por que a gente fala tudo isso?

Acho que falamos sobre a experiência da maternidade por dois motivos principalmente: aprovação e acolhimento.
A todo momento – e isso independe do meio, o papel de mãe parece estar sob os holofotes de uma banca julgadora. Essa banca é formada por gente de toda sorte: de familiares e amigos próximos até pessoas que só te vêem pela rede social mas juram que te conhecem melhor que ninguém.

E quando falamos sobre a maternidade nas redes sociais buscamos tanto o endosso para nossas atitudes quanto a palavra de conforto sobre alguma dificuldade que estamos tendo com os filhos ou com a maternagem em si.
Partindo disso, e tendo uma ferramenta de busca poderosa nas mãos – o celular, o canivete suíço moderno, buscar na internet soluções para os seus problemas de mãe se tornou algo muito natural.

Buscamos sobre aleitamento, sobre decoração para o quarto, pesquisamos temas para a festa de um ano (e dos outros anos também), e até sobre alguma insegurança ou dúvida que começou a nos preocupar em relação aos filhos. Antes mesmo de dividir isso com o marido ou pai dos filhos, com o pediatra ou na escola estamos lá, pesquisando na internet.

Por que montei meu blog?

Quando eu montei o blog a minha ideia era dividir minhas angústias e dividir, com pessoas que estivessem na mesma situação, as minhas experiências. Sem pretensão comercial, sem complementação de renda, sem glamour.
Ser blogueira para mim era algo meu, natural pois sempre escrevi para desabafar e clarear as ideias – em agenda, diários e afins. Escrever no blog era só mais uma forma de me expressar. Depois se tornou algo mais, mas não nasceu com business plan nem gestor de mídias sociais… heheh (nem tenho isso ainda, nem sei se um dia terei!).

Toda mãe é mesmo uma contadora (ou pelo menos colecionadora) de histórias para contar. Mas para ser blogueira, instagrete ou youtuber, é preciso um algo mais. É preciso querer compartilhar suas experiências naturalmente, sem forçar a barra ou forjar uma realidade que não existe.

E é importante ter foco naquilo que você gosta!

Ter um blog requer tempo e dedicação e o ideal é que você o faça por prazer e com temas/assuntos que curta mesmo. Eu, por exemplo, gosto de falar dos meus filhos, dos nossos passeios em família, das minhas artes (para e) com eles, das receitinhas que eu testo para mim e para eles. Essa é a essência do meu blog.

Não dá para glamourizar tudo. E não é porque você teve filhos que o registro do blog vem junto com a certidão de nascimento. É preciso, reforço isso para não parecer também que é simples, dedicação e uma trilha de auto-conhecimento até que o blog resulte em algo legal, de fato! Para você e para os outros.

Acho que todas as mães são blogueiras em potencial, mas é preciso entender um pouco mais a fundo o que tudo isso envolve!

Bora lá contar muitas histórias?

Beijos
Lele

Postado primeiro em Storia

5 comentários em "Nasce uma mãe, nasce uma blogueira"

  1. Cintia disse:

    Me tornei mãe e 9 meses depois, me tornei blogueira. Amooo esse mundo e concordo muitoooo com “Acho que todas as mães são blogueiras em potencial, mas é preciso entender um pouco mais a fundo o que tudo isso envolve!”.
    Adorei seu texto!
    Dá uma olhada no nosso blog também: http://www.mamaesortuda.com

  2. Ah, Lele… penso bem parecido contigo. :)
    Uma coisa que ficou muito clara para mim recentemente, é que ter um blog é tão prazeroso (para mim, especificamente, não sei para as outras pessoas) porque é algo que eu faço por mim mesma. Não faço pelo meu filho, pelo marido, pela minha mãe. Faço por mim e ponto. Adoro escrever! Ter um blog, criar conteúdo para ele, estudar sobre é extramente prazeroso para mim!

  3. Beth disse:

    Que visão linda a sua!
    Com o tempo fui aprendendo o que realmente importa e o que não vale nem um pouco a pena.
    Adoro suas postagens.
    Bjs

    1. Que bom Beth!
      Fico feliz!!! bjao

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2008-2017 © Eu, ele e as crianças | Criação: Helena Sordili | Desenvolvimento: Carranca Design Carranca Design por Felipe Viana