Scrapbook: O que é o Project Life?

Faço scrapbook há uns 6 anos e, como não tenho um scrapcanto – mas tenho ótimas dicas de organização, sempre que faço é uma montanha de materiais pra lá e pra cá! Desde o início desse hobby me perguntava se existia uma forma de fazer scrapbook de forma rápida e com pouco material e foi aí, de há algum tempo (uns 3 anos, acho), descobri o Project Life.

High Five Edition Core Kit
High Five Edition Core Kit

Project Life

Mas o que é Project Life? Definindo livremente, é uma forma de documentar sua vida (e de seus filhos) ou atividades específicas (uma viagem, uma semana de férias, um evento) de maneira sistemática e rápida. A criadora desse projeto é a americana Becky Higgins e no site dela tem muita informação sobre o ele.

Ela parte de 5 razões para se fazer o Project Life:
1. Menos tempo e menos stress: você não precisa ficar criando mil elementos e afins, tudo vem pronto, você só precisa organizar as fotos e as informações.
2. Sem culpa: os dias passam e você não faz nada com as fotos dos seus filhos porque está sempre esperando para fazer “aquele” projeto especial? Com o Project Life basta escolher os elementos imprimir as fotos.
3. Melhore suas habilidades: como vem tudo pronto, seu foco estará em melhorar as fotos e seus jornalings, ou seja, o que realmente sobrevive ao tempo: as memórias!
4. Valores incríveis: todo material do Project Life tem um super acabamento e ótima qualidade.
5. É terapêutico: quando você documenta com regularidade suas fotos e atividade você fica mais consciente de suas bênçãos e prioridades!

Strawberry Edition Core Kit
Strawberry Edition Core Kit

Eu acho incrível a forma como os projetos ficam lindos… tem gente que faz Project Life há alguns anos já e deve ser o máximo ter sua história documentada dessa forma.

Para mim, hoje em dia, talvez seja mais viável a versão digital do projeto. E, assim como para a versão de papel, já existem muitos produtos, incluindo uma loja oficial a Digital Project Life.Aqui no Brasil só conheço uma scrapper que faz o Project Life oficial, a Dunia Acauan! No site dela tem o registro semana a semana!

Olhem só que lindo!

Blush Kit – Page Dunia Acauan
Pagina dupla de Teresa Victor

Gostou? Quer começar?
Aqui tem vários freebies lindos!

Precisa de inspiração? No Pinterest tem infinitos Pins sobre o projeto.

Eu to tomando coragem! Mas queria muito fazer esse projeto!! E você? Se anima?

Beijos
Lele

Tags: , , ,

25 comentários em "Scrapbook: O que é o Project Life?"

  1. Fê Marini disse:

    Lelê, super concordo com você!
    Por muito tempo (muito tempo mesmo) segurei a vontade deles de ter vídeo game em casa. Sempre inventei alguma ‘desculpa’ para não comprar. Ora as notas na escola, ora comportamento deles… enfim… usei o argumento do merecimento.
    Algumas coisas acho completamente desnecessárias! Uma criança de 10 anos não tem necessidade de ter um celular, visto que todos os amigos da escola já tem desde sempre. Pra que? Qual a razão disso?
    Enfim, acho que cada pai e cada mãe sabe do seu… mas sou educadora a moda antiga! rsrsr
    beijos!

  2. Oiii, td? Concordo ocm você que muitas coisas não dá pra permitir, mas também não podemos esconder nossos filhos do mundo. Aos 4 anos, uma criança já sabe argumentar, sabe se lembrar do que está acontecendo e até se questionar porque os amiguinhos podem e ela não. acredito que assistir à uma novela, comer um mc donalds ou pedir um brinquedo da moda não sejam coisas tão ruins, embora façam parte de um mundo capitalista. Mas este é o mundo em que vivemos e o mundo que escolhemos para criar nossos filhos. Tenho muito medo, como mãe, de tomar atitudes tão radicais e depois, levar a culpa de não ter deixado-a viver como deveria. Claro, temos que saber ponderar, não dar tudo, não permitir tudo. Mas também não podemos proibir tudo, ignorar o meio em que vivemos. Criação de filhos é mesmo uma questão muito complicada e cada um pensa de um jeito. às vezes também acho que quero criar um et, pois muitas ao meu redor acham certo liberar tudo. Eu não! kkkk No fundo, temos que ponderar, mas fazer o que nossa consciência manda. Acertando ou errando, estamos fazendo o que achamos certo e o que queremos é o melhor para nossoos filhos… Tudo de bom! Beijinhos…
    http://beibae.blogspot.com/

    1. Lele disse:

      Oi Jacqueline!
      Não me acho radical não… E tenho esse mesmo receio que você.
      Mas ser pai/mãe é isso ne? Tentar, reajustar, argumentar.
      Beijo grande
      Lele

  3. Oi Helena, gostei muito do seu post e me fez refletir. Os meus tb assistem carrossel, o de 6 e o de 4, que assiste, mas não é tão vidrado quanto o de 6. Vira e mexe ele vem e me fala uma coisa que tal personagem fez e ele acha que não está certo, e penso que isso prova que nada do que vejam vai mudar comoletamente a forma de agir ou pensar, porque o mais importante é a educação que damos e o exemplo que veêm.
    Fico pensando tb se minha mãe não tivesse me deixado assistir os programas dos anos 80, quem seria eu? com certeza não seria a pessoa saudosista que sou hoje, com lembranças que me afagam a alma. beijo querida

    1. Lele disse:

      Pois é Cynthia, vc tem razão.
      Mas eu deixo assistir, só não incentivo sabe?
      Eles assistem outras coisas (desenhos e filmes) que (acho) tem mais a ver com o perfil deles agora…
      beijinhos

  4. Thaty disse:

    Vítor queria assistir Carrossel, porque os amigos da escola assistem. Mesmo achando ruim porque é justamente no horário dele ir dormir, deixei uma vez ou duas e ele desencanou. Não era mesmo a praia dele. Eu sofria por ele e a Alice saberem todos os sucessos sertanejos do momento, mas não dá pra deixar numa bolha, né? Então relaxei e deixo passar. Não vai matar e se é algo realmente muito ruim explico que não pode e pronto.

    Quanto aos fast foods da vida, não esquento muito com essas coisas não. Alice e Vítor já comeram Mc Donalds, Bobs, Habibs, Spoleto… Durante a semana não se come doces e “porcarias” ou se toma refri, a não ser que seja uma ocasião especial. E devem se alimentar bem, comendo o que eu (ou a escola) dissermos que tem que comer. No fim de semana eles escolhem o que querem, a não ser que eu ache que devem almoçar de verdade por algum motivo (como fizemos no domingo passado).

    O maior problema que eu acho que enfrentei com essas coisas de resguardar foi com as notícias e tele jornais. Durante muito tempo eu o tirava da sala/quarto quando começava o jornal, para que ele não visse o que estava passando. De uns anos para cá reparei que isso estava piorando a situação, pq ele ouvia na escola e lá os colegas passavam do jeito que bem entendiam. Então agora eu deixo ver algumas coisas, explico e respondo perguntas. Claro que tem coisa que não dá pra deixar assistir, né? Aí sai da sala/quarto, assim como na hora da novela.

    Aff, acabei fazendo outro post! kkkkkk

    Beijos
    Tati
    #amigacomenta

  5. Carol Baggio disse:

    Lele, adorei!
    Eu crio uma ETzinha linda em casa também, que só sabe o que é Patati Patatá (que acho horrendo) pq viu na escola. Canal a pago está fora do line up em casa, o máximo é ver o programa da Cultura e DVDs, e ainda assim, com horários bem restritos.
    Pra muita gente, isso é ser radical. Aí eu me pergunto: e o que não é ser radical? ir com a boiada? é como vc falou, em alguns momentos teremos que ceder – sim, teremos! – mas mesmo assim, não será sem pensar sobre, questionar e oferecer outras referências.
    Um beijo, querida!

  6. Marize Barbosa Dantas disse:

    Boa noite! Me interessei por nProject Life, nunca fiz e estou boiando” no assunto. Onde posso comprar o album? E os cards?
    Obrigado! Marize Barbosa Dantas
    marizebardan@yahoo.com.br

    1. Ola Marize!!
      Pode comprar nessas lojas aqui:
      http://www.eueleeascriancas.com.br/2017/02/lojas-de-scrapbook.html

      Espero que se anime e se quiser fazer parte de um grupo no Facebook me avise.
      beijos
      Lele

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2008-2013 © Eu, ele e as crianças | Criação: Helena Sordili | Desenvolvimento: Carranca Design Carranca Design por Felipe Viana