Por que os produtos sem glúten são tão caros?

A “moda” dos produtos sem glúten ou sem lactose e etc está aí e é inegável. Mas por trás disso há uma série de pessoas que realmente são alérgicas e precisam desses produtos.

Não existem números confiáveis sobre a realidade brasileira ainda, mas, apenas nos Estados Unidos, existe mais de 18 milhões de celíacos, ou seja, pessoas intolerantes ao glúten, segundo a Fundação Nacional de Consciência Celíaca. E o número só vem crescendo, na medida em que as pessoas vão aprendendo sobre esta condição.

O glúten está presente em diversos cereais, e com eles, muitos alimentos comumente consumidos por todos se tornam proibitivos para os intolerantes a esta proteína. Supermercados, restaurantes e outros fabricantes de alimentos ainda não se prepararam de maneira efusiva para atenderem a este tipo de consumidor.

Alimentos como pão, biscoitos, macarrão, bolos, diversos tipos de molhos e sopas – coisa que qualquer pessoa comum consome normalmente – só podem ser ingeridos se não tiverem glúten em suas fórmulas, mas as ofertas ainda são muito pequenas e, na maioria das vezes, muito caras e inacessíveis.

produtos sem glúten

Por que os produtos sem glúten são tão caros?

O resultado de uma pesquisa mostra que os produtos que não contém glúten são geralmente 86% mais caros (se comparados aos que possuem tal proteína em sua composição), além de possuir baixo valor nutricional também! Como as ofertas de produtos ainda são poucas, a concorrência é mínima. Por isso, o “poder” fica na mão de quem vende e o preço pedido pode ser o que ele bem quiser.

Ao analisar as empresas de delivery em São Paulo, fica evidente que pouquíssimos estabelecimentos oferecem opções sem glúten. Isso significa que, os que o fazem são capazes de controlar os preços dos pratos que se enquadram nesta categoria.

Apesar dos alimentos que contêm glúten serem facilmente encontrados, como pães e bolos, por exemplo, muitas pessoas ainda preferem pagar um pouco mais para ter o prazer de saborear um belo sanduíche, como qualquer outra pessoa, sem ficar doente.

produtos sem glútenNa medida em que a produção aumentar, os custos diminuem e o preço o produto cai, em conseqüência. É claro que alguns alimentos continuarão a ser caros de produzir, mas as exceções vão confirmar a regra. Uma das soluções, para diminuir o problema, é fazer com que estes consumidores se associem para terem um poder de barganha maior junto à indústria e ao comercio.

Celíacos no dia-a-dia

Nessa semana fiz uma viagem e conheci uma jornalista que descobriu há 7 meses sua alergia a glúten e leite. Ao perguntar como descobriu ela disse: “passei mal por 3 meses com fortes dores de cabeça, azia e  coceiras pelo corpo. Tomava remédios diariamente e fiz milhares de exames até descobrir.” Ela disse ainda que em 90% dos eventos que participa, não há comida para ela.

Se você tem alguém celíaco na família ou ciclo de amigos, me conte como é a relação deles com a comida e o que precisam fazer para comer bem sem sustos para a saúde.

Receita de bolo sem glúten e lactose aqui!

beijos
Lele

Tags: , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2008-2017 © Eu, ele e as crianças | Criação: Helena Sordili | Desenvolvimento: Carranca Design Carranca Design por Felipe Viana