Meu filho é tímido, e agora?

Um passeio na casa de amigos, um encontro inesperado no supermercado, uma apresentação na escola. Situações cotidianas mas que podem deixar mais evidentes que meu filho é tímido (ou minha filha, no caso).

Eu fui uma criança tímida (ou introvertida, talvez… ainda sou). Meu marido é descendente de japoneses que são, historicamente, mais quietos e fechados. Aí vieram os filhos e, embora crianças super agitadas, falantes e alegres, quando se deparam com algumas situações novas: ficam tímidos.

Sábado mesmo, estávamos num aniversário e a Isa não queria nem cumprimentar as pessoas. Ela não olha no olho, não se sente confortável.

O que fazer nessas situações?

meu filho é tímido

Meu filho é tímido, e agora?

Segundo Fabiany Lima, criadora do app Timokids e mãe de gêmeos, o primeiro passo é entender que, na maioria das vezes, isso não é nenhum problema. A timidez não é um defeito, é apenas uma característica que pode ser encontrada em pessoas de todas as idades.

No nosso dia-a-dia de trabalho e com nossos amigos, conhecemos adultos tímidos que são felizes e bem-sucedidos. Da mesma forma, seu filho também pode conviver com isso e ter uma ótima vida.

Uma dica importante da Fabiany é não forçar a criança a ser diferente e evitar ao máximo situações de desconforto. Muitas vezes temos a impressão de que a criança precisa ser exposta a eventos sociais para deixar a timidez de lado, mas esse tipo de estratégia tem efeito contrário, só irá deixa-la mais retraída. Também não adianta culpá-la ou puní-la por não responder o que foi perguntado ou por não conversar com outros familiares.

Dar limites também fortalece a autonomia

A melhor forma é dar apoio para seu filho. Nós, pais e mães, somos provavelmente, uma das pessoas com quem os filhos mais falam e se abrem. Sendo assim, devemos procurar assuntos que sejam do interesse deles e converse ao máximo com eles. Mesmo sem perceber, isso servirá como um “treino” para que eles também dialoguem com outras pessoas.

Vale a pena investir também em ferramentas alternativas de comunicação, principalmente se seu filho é introspectivo mesmo com você. Nesse caso, desenhos, jogos, aplicativos ou brinquedos podem servir como um canal de aproximação.

Outra dica importante é incentivar a interação com colegas da mesma idade. É normal que crianças se sintam constrangidas ao conversar com adultos, mas é mais comum que essa resistência seja menor com outras crianças. Assim, não proíba seu filho de ir à casa de amigos e fazer outros programas com colegas. Procure leva-lo a parques e lugares onde ele possa ter essa interação. Mas claro, sem forçar a barra!

Se a timidez for MUITA…

Ainda que não seja comum, lembre-se que a timidez em excesso pode ser um sintoma de algum problema psicológico. Se perceber que as reações são exageradas e não apresentam grandes melhorias, o recomendável é procurar o auxílio de um especialista para checar se realmente há algo de errado e o que pode ser feito.

Porém, em geral, o segredo é aceitar o seu filho como ele é. Seja um suporte e ajude no que for possível para que ele supere as barreiras sociais, sempre ponderando quais são os limites. A verdade é que crianças tímidas são igualmente encantadoras e podem revelar grandes surpresas com um jeitinho que só elas têm. Ou seja, se preocupe menos e aproveite mais o convívio com elas!

Eu adorei as dicas da Fabiany e consegui ter bons insights para lidar com os meus pequenos.

beijos
Lele

Tags: ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2008-2017 © Eu, ele e as crianças | Criação: Helena Sordili | Desenvolvimento: Carranca Design Carranca Design por Felipe Viana